novembro 12, 2012

História de Exú Morcego

Posted in Artigos Sugeridos, Exu e Pomba-Gira, História e Origens tagged , às 11:25 pm por carolyara

Imagem

Em um castelo, inteiramente de pedra, mal cuidado e isolado no meio de uma floresta, típico daqueles pertencentes ao feudo europeu, vivia um homem branco e corpulento, trajando uma surrada roupa, provavelmente antes pertencente a um guarda-roupa fino. Percebia-se o desgaste causado pelo passar do tempo, pois ainda carregava uma grossa e rica corrente de ouro de bom quilate, com um enorme crucifixo do mesmo cobiçado material. Parecia viver na solidão, muito embora no castelo vivessem vários serviçais. Na torre do castelo, as janelas foram fechadas com pedra, e só pequenas frestas foram feitas no alto das paredes. A luz não podia entrar. A torre não tinha paredes internas, formando uma enorme sala, com pesada mesa de madeira tosca, tendo como iluminação dois castiçais de um só vela cada. Ao lado da tênue luz das velas, livros se espalhavam sobre a mesa, mostrando ser aquele homem um estudioso e que algo buscava na literatura. De braços abertos, com um capuz preto cobrindo sua cabeça, emitia estranhos e finos sons, tentando descobrir o segredo da conhecida Sagrada Arte. Pelas frestas da torre, entravam e saiam voando vários morcegos com os quais ele procurava inspiração e força para atingir sua conquista. Por quê? Não sei. A idéia e as razões eram da estranha figura. Parecia um homem de fino trato, transfigurado na fixação de atingir um poder que não lhe pertencia. Seu nome? Também não sei. Só o conheço incorporado nos terreiros como o querido mas temido Exu Morcego.

Guland, o senhor alquimista que me acompanha é proprietário de muitos mistérios e segredos, mas nenhum deles me causaram tanta admiração e respeito quanto sua linhagem de atuação. Hoje, ele é Guardião do Vale dos Suicidas e já teve seu corpo perispiritual muuuuuito deformado por suas sucessivas vidas interrompidas das mais diversas formas. E exatamente por isso levei mais de 4 anos, com o trabalho de sucessivas incorporações nas linhas de esquerda, entregas e rezas para que ele perdesse seu aspecto deforme, quase animalesco e voltasse seu aspecto humano.

Exu Morcego
Lider da 11ª falange.

Comanda Exus como Asa Negra , Exu Coruja , Exu Sombra , 7 Sombras , entre muitos outros. Exu nervoso , anti-social não é muito de prosa mas qdo faz algum tipo de trabalho como ele mesmo diz ” vai buscar voando ” e sempre cumpre com o que diz. Deve se ter um cuidado muito especial com este Exu, por ser considerado guardiões de muitos mistérios!!!

Laroyê Guland e moju ibá!
Laroyê Exu Morcego e mojubá!

Anúncios

6 Comentários »

  1. Desde ninia siempre vi cosas pero de me enamore en mi adolescencia de un hombre q.vive en un castillo muy antiguo recostada en su pecho me lleva por los vientos en la noche entre corrientes de electricidad por sementerios mares y ludares altos .si pudiera hacer realidad.en una quimbanda hace mucho me llamo d.entre la gente y me confirmo diciendome su nombre.moorcego.me han dicho otros espiritus q.tenga cuidado q.es poderoso y mi mente lo llama con facilidad.pero es tan fuerte.lo siento en el viento en la tempestad en la s noches me llama y quiero estar con el.

    • carolyara said,

      Hola! Gracias por su visita. Lo siento por no dominar el español, pero quiero decir que me encantó sus palabras y encanta conocer más de sus testimonios. ¿De dónde eres? Montevideo, Uruguay? No tienen patio? Umbanda? Quimbanda? Candomblé? alguna otra religión con raíces africanas? Abrazos y saludos de Brasil.

  2. silvio schwanck said,

    eu trabalho com o exu morcego e ele é um exú de poucas palavras , miutos que falaran com ele disserao que ele irradia muita força, e ele senpre cunpriu sua palavra, ,

  3. Wilson said,

    Espíritos que pedem bebida e cigarros.

    1)As pessoas que se entregam ao vicio da bebida e do fumo passam a atrair a assistência nociva de espíritos desencarnados que também possuem tais vícios, espíritos obsessores.
    Cada vicio é uma porta aberta para a influencia negativa de espíritos inferiores e perturbadores do plano astral, para afastar esses espíritos viciosos temos que nos libertar dos vícios torpes da bebida e do cigarro, tudo é uma questão de sintonia no mundo espiritual, os encarnados bons, corretos, honestos, com pensamentos elevados e nobres vão entrar em sintonia com os espíritos de luz, os encarnados maldosos, falsos, picaretas, desonestos, com maus pensamentos e vícios, vão entrar em sintonia com espíritos inferiores e obsessores.
    O Bem tem sintonia com o Bem.
    O mal tem sintonia com o mal.
    Imaginemos uma pessoa que se entrega a bebida, cachaça, cigarros, charutos, ela passa a atrair a companhia de espíritos desencarnados que também gostam da bebida e do fumo, os semelhantes atraindo os semelhantes.
    Os espíritos viciosos são Vampiros psíquicos que vampirizam os encarnados que possuem vícios, esses médiuns que trabalham com cachaça e charutos são vampirizados por espíritos que possuem os mesmos vícios.
    Os espíritos de luz ou bons espíritos não possuem necessidades matérias e nem apego as coisas mátrias, vamos concluir, que somente espíritos apegados a matéria trabalham com médiuns que usam charutos, cigarros e cahaça.
    Eles são canecos vivos ou piteiras vivas para as entidades viciosas do plano astral.
    Vejamos uma observação de Ramatis sobre essa questão.

    O alcoólatra, seja o que se embriaga com o uísque caríssimo ou o que se entrega à cachaça pobre, não passa de um “caneco vivo”, pelo qual muitos espíritos desencarnados e viciados se esforçam para beber “etericamente” e aliviar a sua sede ardente de álcool.

    Todos os beberrões desencarnados vivem à cata de “canecos vivos”, na Terra.
    (…) Os espíritos desencarnados e ainda escravos das paixões e vícios da carne – em virtude da falta do corpo físico – são tomados de terrível angústia ante o desejo de ingerir o álcool com o qual se viciaram desbragadamente no mundo físico. (…) os encarnados que se viciam com bebidas alcoólicas passam também a ser acompanhados de espíritos de alcoólatras já desencarnados, ainda escravos do mesmo vício aviltante, que tudo fazem para transformar suas vítimas em “canecos vivos” para saciarem seus desejos.

    2) Vou colocar uma pergunta.
    Os espíritos de luz ou espíritos elevados precisam de bebida, cachaça, cigarros, charutos, velas?????
    Qual a sua resposta???

    Devemos raciocinar com bom senso, no Espiritismo a fé tem que ser raciocinada, sem fantasias e superstições.
    Espiritos desencarnados que pedem coisas matérias, são espíritos apegados a matéria, somente isso.
    Não estou atacando ninguém, eu estou raciocinando.

    Vejamos uma observação muito importante de Raul Teixeira sobre essa questão.

    Nós espíritas pensamos o seguinte: ESPÍRITOS QUE PEDEM CHARUTO, BEBIDAS ALCOÓLICAS, COMIDA, SANGUE DE UM IRMÃO INFERIOR (ANIMAL) OU MESMO HUMANO, QUE PARTICIPAM DE TRABALHOS DE VINGANÇA OU OUTRA MALDADE QUALQUER, PRECISAM DE ESCLARECIMENTO CRISTÃO. ELES AINDA ESTÃO APEGADOS À COISAS MATERIAIS E SENTIMENTOS INFERIORES. Seria incoerente falarmos de Jesus e nos propor fazer maldade seja lá a quem for. Como podemos pedir ajuda a quem precisa de ajuda? Se Espíritos resolvessem problemas, Chico Xavier, que foi muito mais merecedor que muitos de nós, não teria sofrido com doenças e problemas. Já que vivia em contato direto com eles. Então, sigamos o conselho do apóstolo Paulo:”Não creiais em todos os espíritos, mas examinai se eles são de Deus.” (João 4:1). Paulo sabia que todos os Espíritos são de Deus, mas o propósito de alguns não são divino. Por isso, precisamos ter cuidado para não nos confundirmos, não nos aliarmos, não incentivarmos, não nos comprometermos com a lei divina. O Espiritismo é uma doutrina sem sacerdotes, sem dogmas, sem rituais, não adota em suas reuniões e em suas práticas qualquer tipo de paramentos ou vestes especiais (as vestes brancas devem ser as que nos cobrem o espírito e o nosso perispírito); não utilizamos sal grosso, plantas, amuletos, etc. (porque o nosso coração é nosso escudo, quando nele mora o amor); não adotamos cálice com vinho ou bebidas alcoólica (os espíritas não devem alimentar o vício do álcool nem do fumo, porque precisamos estar lúcidos para apreciar a beleza da vida); não utilizamos incenso, mirra, velas (porque são coisas materiais e nós usamos a prece para nos sustentar o espírito); não temos altares, imagens, andores, procissões, pagamento pelos trabalhos espirituais, talismãs, sacrifício animal, santinhos, administração de indulgências, confecção de horóscopos, exercício da cartomancia, quiromancia, astrologia, numerologia, cromoterapia, pagamento de promessas, despachos, riscos de cruzes e pontos, não temos curas espirituais com cortes, orações milagrosas para resolver problemas sentimentais, financeiros, etc.

    Vou realçar essa observação do Raul Teixeira.
    Nós espíritas pensamos o seguinte: ESPÍRITOS QUE PEDEM CHARUTO, BEBIDAS ALCOÓLICAS, COMIDA, SANGUE DE UM IRMÃO INFERIOR (ANIMAL) OU MESMO HUMANO, QUE PARTICIPAM DE TRABALHOS DE VINGANÇA OU OUTRA MALDADE QUALQUER, PRECISAM DE ESCLARECIMENTO CRISTÃO. ELES AINDA ESTÃO APEGADOS À COISAS MATERIAIS E SENTIMENTOS INFERIORES.

    Nessas observações do Raul Teixeira, vemos que somente espíritos materializados apegados as sensações matérias é que pedem essas coisas como, bebida, cigarros, charutos, despachos e sacrifícios de pobres animais.
    Os espíritos de luz não necessitam de coisas matérias.
    Isso é lógico e racional basta estudar o Espiritismo para ver essa Verdade.

    Perguntamos.
    Raul Teixeira esta errado ou certo nessa observação??????
    Qual a sua resposta?????

    Muitas entidades que trabalham nesses lugares estão muito materializadas e condicionadas a vida terrena, querem manter as sensações da matéria, querem beber, fumar e até transar.
    Esses espíritos viciosos encostam o seu perispirito no perispirito do encarnado que esta bebendo, fumando ou transando e passam a sentir as mesmas coisas, é o chamado encosto.

    3) As superstições e crendices atrapalham a evolução espiritual das pessoas, o Espiritismo não aceita as superstições, usar objetos matérias, como, amuletos, talismã, velas, incenso, imagens, roupas brancas, fazer despachos, são atos ligado ao misticismo e as crendices populares.
    Não adianta usar velas, amuletos e roupas brancas, para afastar os maus espíritos, é nos pensamentos elevados e positivos, na prece sincera, na elevação moral, na pratica do Bem, da Caridade e das Virtudes, que esta a única defesa psíquica contra a influencia dos maus espíritos.
    Eu posso usar velas, imagens de santos, roupas brancas, amuletos e continuar falso, desonesto, egoísta, maldoso, picareta, malicioso, olho grande, ciumento, vingativo, racista, vicioso, nenhum objeto material ou sagrado tem ação para afastar ou atrair os espíritos desencarnados, tudo reside em nossos pensamentos e sentimentos.
    Vejamos uma observação do Mestre Kardec.
    Para conhecimento das pessoas estranhas à ciência,diremos que não há horas mais propícias, umas que outras, como não há dias nem lugares, para comunicar com os Espíritos. Diremos mais: que não há fórmulas nem palavras sacramentais ou cabalísticas para evocá-los; que não há necessidade alguma de preparo ou iniciação; que é nulo o emprego de quaisquer sinais ou objetos materiais para atraí-los ou repelilos, bastando para tanto o pensamento;e, finalmente, que os médiuns recebem deles as comunicações sem sair do estado normal, tão simples e naturalmente como se tais comunicações fossem ditadas por uma pessoa vivente. Só o charlatanismo poderia emprestar às comunicações formas excêntricas, enxertando-lhes ridículos acessórios. (Allan Kardec – O que é o Espiritismo, cap. II, nº 49.)

    A respeito do assunto, o eminente Allan Kardec, na questão 553 de O Livro dos Espíritos indagou aos benfeitores da Humanidade, recebendo a lúcida resposta:

    “TODAS AS FÓRMULAS SÃO MERA CHARLATANICE. NÃO HÁ PALAVRA SACRAMENTAL NENHUMA, NENHUM SINAL CABALÍSTICO NEM TALISMÃ QUE TENHA QUALQUER AÇÃO SOBRE OS ESPÍRITOS, PORQUANTO ESTES SÓ SÃO ATRAÍDOS PELO PENSAMENTO E NÃO PELAS COISAS MATERIAIS”.

    Em O Livro dos Médiuns, no item 282, Kardec novamente interrogou os Espíritos acerca do assunto:

    17ª Certos objetos, como medalhas e talismãs, têm a propriedade de atrair ou repelir os Espíritos conforme pretendem alguns?

    “ESTA PERGUNTA ERA ESCUSADA (DESNECESSÁRIA), PORQUANTO BEM SABES QUE A MATÉRIA NENHUMA AÇÃO EXERCE SOBRE OS ESPÍRITOS. FICA BEM CERTO DE QUE NUNCA UM BOM ESPÍRITO ACONSELHARÁ SEMELHANTES ABSURDIDADES. A VIRTUDE DOS TALISMÃS, DE QUALQUER NATUREZA QUE SEJAM, JAMAIS EXISTIU, SENÃO, NA IMAGINAÇÃO DAS PESSOAS CRÉDULAS.”

    Vou realçar essa observação.
    NUNCA UM BOM ESPÍRITO ACONSELHARA SEMELHANTES ABSURDIDADES.
    Portanto, os espíritos desencarnados que aconselham o uso de objetos matérias ou sagrados para trabalhos espirituais, são espíritos inferiores e atrasados, espíritos ignorantes sem luz.
    O uso de imagens de santos é um ato de idolatria, adorar ou venerar imagens para que???
    Existe algum valor espiritual nisso???

    4) Esses espíritos desencarnados que pedem coisas matérias como, charutos, cachaça, despachos, velas e sacrifícios de pobres animais, são na realidade espíritos apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos, são espíritos moralmente atrasados e muito desses espíritos podem ser maldosos, vingativos, maliciosos, astutos e obsessores, cuidado com esses espíritos.
    São lobos em pele de ovelhas.
    Os espíritos de luz ou espíritos elevados não possuem necessidades matérias, eles não pedem coisas matérias, portanto, devemos desconfiar desses espíritos que pedem tais coisas absurdas.
    Essa é a regra, os espíritos elevados ou bons espíritos não possuem necessidades matérias, eles estão com seus pensamentos e sentimentos moralmente depurados.
    Esses espíritos de caboclos e preto velhos e exus são espíritos perigosos, devemos estar alertas nessas questões.
    Como orienta Allan Kardec, todas as informações, mensagens e comunicações que venha dos espíritos desencarnados, tem que passar pelo Crivo severo da Razão e da Lógica para poder ser aceito.
    Qualquer ofensa a razão, a lógica e a moral elevada, denuncia a presença de espíritos inferiores e atrasados.

    Esse é um resumo dos meus estudos espíritas, espero ter ajudado em alguma coisa, busquemos o Mestre supremo Jesus o Cristo, o caminho, a verdade e a vida.

    Wilson Moreno na busca da Verdade.

    • carolyara said,

      Wilson, fiz questão de aprovar seu comentário porque aborda um tema muito relevante que merece até um post especial (vou publicá-lo em breve). Mas quero deixar aqui uma prévia de um longo estudo que faço a este respeito.

      Sou umbandista há 11 anos, desde meus 21 anos. Filha de santo há 10, portanto desde os 22 anos. E acrescento que sou – concomitantemente – espírita kardecista há 18 anos, desde meus 14 anos e Cristã por toda a vida, assim, desde que nasci, há 32 anos atrás. Eu poderia aqui tranqüilamente dissertar sobre esse assunto sob a ótica dessas 3 proposições: segundo a Umbanda, segundo o próprio Kardec e demais autores consagrados da doutrina espírita e até segundo o cristianismo. Pretendo fazer isso com calma em minha próxima publicação.

      Contudo, por hora, acho que o maior “Crivo severo da Razão e da Lógica” para tratar, por exemplo, da bebida alcoólica é a própria Química Orgânica.

      Álcoois são compostos orgânicos que possuem em sua estrutura um ou mais grupos hidroxila (OH) ligada a um carbono saturado. E, como tal, é importante dizer que grupos de hidroxilas determinam o caráter ácido-básico (pH) de uma solução, sendo que quanto maior sua concentração, maior é o carater básico e menor o ácido. Em outras palavras, segundo estudos de eletrofísica, já é possível provar que as ondas eletromagnéticas presentes em pensamentos, sentimentos e ao redor do perispírito humano são originárias das vibrações que o organismo (estimulado por esses pensamentos, sentimentos e claro, pelo próprio perispírito) produz quando a solução do meio aquoso de nosso sistema (presente substancialmente no sangue e na irrigação de órgãos e tecidos) assume alguns padrões: ora mais ácido (em tensões e irritações, cargas negativas), ora mais básico (em repouso e serenidade, cargas positivas.

      E aqui vale ressaltar que a reação de maior importância só ocorrida com a manipulação de álcoois, principalmente o Etílico, é a “Reação de Esterificação”, que tem com produto final um éster. Entre os compostos encontrados na natureza, os ésteres estão entre os mais comuns. Estes compostos comumente estão associados ao odor agradável exalado por flores e frutos. Assim, graças a manipulação energética dessas substâncias, é possível recriar o mesmo bem-estar agradável que o odor de flores e frutos podem causar. Tanto que são os ésteres que permitem a sintetização do tal “aroma artificial”, presente em inúmeros alimentos.

      Em suma, fazer uso de substâncias alcoólicas em virtude de suas propriedades fisico-química está muito além do sério problema do vício e da dependência química (e neste aspecto você tem razão!). Quem, em uma emergência nunca derramou bebida destilada em um ferimento para esterilizar??? Portanto, toda a lei de compatibilidade vibracional está intimamente ligada na energia que se exala nesse uso. Se você é um viciado, dependente químico, que faz uso do álcool do modo degradante e excessivo, a punto de desidratar suas hemácias e corroer suas enzimas hepáticas, CLARO, por afinidade você só atrairá vibrações e espíritos tão nocivos quanto. Agora, se os espíritos de luz fizerem uso material do álcool com finalidades terapêuticas, sintonizado, tão somente, na prática da caridade e do amor ao próximo, suas emanações só irão atrair vibrações e espíritos elevados.

      Cuidado com as generalizações e pré-concepções! A Umbanda tem uma matriz sincrética, o que significa dizer que ela é originária de algumas correntes religiosas: o culto aos orixás de origem africana, a crença erveira e fitoterápica da pajelança indígena, na reforma íntima e evolução espiritual de cada indivíduo pela prática da Caridade e do Amor ao próximo (“fora da caridade ano há salvação!”) defendida pela doutrina espírita e o esteio cristão do novo Testamento, o evangelho de Jesus; bem como a fé milagrosa em santos, anjos e arcanjos pregada pelo Catolicismo. Deste modo, seu culto, tradições e costumes amalgamaram – em perfeita sinergia – todos esses fundamentos para sustentar sua egrégora no Campo Astral.

      Cristo bebia vinho e o consagrou como elemento fundamental, sendo o seu sangue e, que até hoje, é santificado pelo cordeiro de deus que tira os pecados do mundo na Eucaristia (onde, alias, o próprio padre bebe no altar a taça de vinho usada na consagração da óstia e nem por isso ele atrai a assistência nociva de espíritos desencarnados ou se torna uma porta aberta para a influência negativa de espíritos inferioes!)

      O mesmo posso destacar em célebres passagens de obras consagradas na doutrina espírita, que conheci, estudei e até pude contribuir com artigos acadêmicos defendidos e publicados nos anais do Congresso latino-americano de estudos e desenvolvimento científico da Ciência Espírita, em 2000 e 2001; por intermédio da Aliança Espírita Evangélica (fundada por Edgar Armmond) que abriga até hoje um dos maiores centros espíritas da Zona Leste de São Paulo, chamado CEAE Vila Manchester, local que freqüentei por anos e onde fiz meu Curso Básico do Espiritismo (1 ano), Escola de Aprendizes do Evangelho (3 anos), Curso de Passes (1 ano), Curso de Médium I e II (2 anos) e, finalmente, atuei como expositora de pré-eleições e palestras, dirigente de grupo de jovens (Mocidade Espirita), passista, médium de camâra no tratamento P2 e como facilitadora das sessões doutrinárias.

      Assim, o que me vem agora na cabeça, de memória (só para ilustrar!) são alguns ensinamentos nos trazidos por Andre Luiz e Bezerra de Menezes que reforçam não só a relevância substancial dos aspectos científicos e materiais agregados ao tratamento do corpo espiritual, como também fazem menção direta do emprego de velas e álcool para fins searistas:

      Segundo André Luiz, na apresentação do livro MECANISMOS DA MEDIUNIDADE, psicografado por Chico Xavier: “Quanto mais investiga a Natureza, mais se convence o homem de que vive num reino de ondas transfiguradas em luz, eletricidade, calor ou matéria, segundo o padrão vibratório em que se exprimam. Existem, no entanto, outras manifestações da luz, da eletricidade, do calor e da matéria, desconhecidas nas faixas de evolução humana, das quais, por enquanto, somente poderemos recolher informações pelas vias do espírito”. E, logo nos primeiros capítulos ele prossegue sua elucidação afirmando que “energias, isoladas ou combinadas, geram movimento e disso resulta agitação. “E toda agitação – material ou espiritual – produz ondas”: – ondas sonoras: palavras pronunciadas, instrumentos vibrando, nuvens entrechocando-se, pássaros cantando; – ondas caloríficas: um aquecedor assim que é ligado, um palito de fósforo aceso (OLHA A QUESTÃO DA CHAMA AQUI PRESENTE!); – ondas luminosas: uma lâmpada acesa, a chama de uma vela (OLHA ESPECIFICAMENTE AQUI A QUESTÃO DA VELA QUE PERGUNTOU!!!) e, por fim, – ondas elétricas: como as de um rádio ligado.

      (…)

      Assim, para o bom exercício da mediunidade, se faz necessário um conhecimento profundo da matéria e do espírito a cerca de suas propriedades e constituições. A primeira, a partir dos inúmeros préstimos que o avanço das descobertas científicas, em suas esferas bioquímica e físicas, ofertam e ofertarão em anos de progresso e evolução. A segunda, a partir da gradual e inegável revelação do corpo etéreo e suas formulações no mundo espiritual. Quando ambas são satisfatoriamente desvendadas a serviço do próximo, haverá não só a comunhão do corpo-espírito, como mais genuinamente se expressará a magnitude divina”.

      Do mesmo modo, acreditava Dr. Bezerra de Menezes, na época que a Doutrina Espírita difundia-se, em muito ajudada pelas práticas de médicos homeopatas e espíritas, que passaram a prestar a Caridade também através de sua mediunidade e novos usos de elementos materiais com finalidade socorrista. Um desses médicos era João Gonçalves do Nascimento, colega de Bezerra de Menezes, que de tanto ouvir falar das curas operadas através deste médium, um dia Bezerra resolveu pedir-lhe uma receita enviando um pedaço de papel que dizia: “Adolfo, tantos anos, residente na Tijuca sofro…”). Não tardou a receber uma resposta com o diagnóstico correto de seu problema de estômago onde formulou uma solução hidroalcoólica (USO DO ÁLCOOL POR SUAS PROPRIEDADES TERAPEUTICAS) diluída capaz de restituir as enzimas responsáveis pelo revestimento estomacal. O relato foi publicado no livro “LINDOS CASOS DE BEZERRA DE MENEZES” do conceituado autor Ramiro Gama.

      ENFIMMMMMMMMMMM, minha intenção não era me alongar no comentário, mas um tópico foi puxando o outro e acho que me empolguei. De fato, este é um tema amplo, complexo e seríssimo que URGE ser melhor discutido, até para corrigir certos equívocos criados pela generalização, simploriedade e discriminações pré-moldadas que não visa o real aprofundamento de todos os aspectos que permeiam essa questão.

      Obrigada pela oportunidade de já “pincelar” algumas dessas considerações tão negligenciadas pelo senso comum.

  4. wilson said,

    Obrigado pela sua resposta

    Os médiuns que bebem e fumam.

    1)Os médiuns que bebem e fumam vão atrair pela sintonia vibratória dos pensamentos espíritos inferiores e obsessores do plano astral, todo médium que se entrega aos vícios da bebida e do fumo são Vampirizados por entidades que estão apegadas a matéria e aos vícios e desejos terrenos.
    Nesses centros de umbanda e candomblé no qual os médiuns fazem uso de charutos, cigarros, bebidas alcoólicas, cachaça, vão se tornar canecos vivos e piteiras vivas para os espíritos inferiores e ignorantes do plano astral, os alcoólatras e tabagistas desencarnados atuam nesses centros de macumbas, umbanda, quimbanda e candomblé para absorverem as emanações fluídicas da bebida e da nicotina.
    SÃO POUCOS OS ENCARNADOS QUE SABEM DO TER¬RÍVEL PERIGO QUE SE ESCONDE POR DETRÁS DO VÍCIO DO ÁLCOOL, POIS A EMBRIAGUEZ É SEMPRE UMA DAS SITUAÇÕES MAIS VISADAS PELOS ESPÍRI¬TOS VICIADOS QUE PROCURAM A DESEJADA “PONTE VIVA” PARA SATISFAÇÃO DE SEUS DESEJOS NO MUNDO DA MATÉRIA.
    OS ESPÍRITOS DESENCARNADOS AINDA ESCRAVOS DAS PAIXÕES E VÍCIOS DA CARNE — EM VIRTUDE DA FALTA DO CORPO FÍSICO — SÃO TOMADOS DE TERRÍVEL ANGÚSTIA ANTE O DESEJO DE INGERIR O ÁLCOOL COM O QUAL SE VICIARAM DESBRAGADAMEN-TE NO MUNDO FÍSICO. Devido à fácil excitabilidade natural do corpo astral, esse desejo se centuplica, na feição de uma ansiedade insu¬portável e desesperadora, como acontece com os morfinômanos, que só se acalmam com a morfina! E um desejo furioso, esmaga¬dor e sádico; a vítíma alucina-se vivendo as visões mais pavorosas e aniquilantes! E quando isso acontece com espíritos sem escrú¬pulos, eles são capazes de todas as infâmias e torpezas contra os encarnados, para mitigarem a sede de álcool, assemelhando-se aos mais desesperados escravos do vício dos entorpecentes.

    Designo como “caneco vivo” a criatura que se deixa dominar completamente pelo vicio do álcool, tornando-se enfraquecido no seu senso de comando psicológico e espiritual. Quando tal acontece, os viciados do Além, que se afinizam à sua constituição psíquica, vigiam-na e atuam incessantemente sobre ela a fim de conseguirem situá-la sob a freqüência vibratória com que operam em comum, para subverterem-lhe completamente a vontade e o caráter. De acordo com a lei de afinidade espiritual, é preciso que o candidato à função de “caneco vivo” vibre na mesma faixa vibratória do malfeitor desencarnado, pois só deste modo é que este consegue agir com êxito e interceptar qualquer inspiração superior que possa ser enviada à sua vítima no sentido de se livrar do vício. Assim que o obsessor consegue domínio completo sobre o bêbedo encarnado, trata de cercá-lo de cuidados e protegê-lo contra outras entidades desencarnadas que também o possam usar como “caneco vivo”.

    O ÁLCOOL INGERIDO PELO ALCOÓLATRA TERRENO, DEPOIS QUE LHE ATIN¬GE O ESTÔMAGO, VOLATILIZA-SE EM OPERAÇÃO PROGRESSIVA, ATÉ ALCANÇAR A SUA FORMA ETÉREO-ASTRAL, MOMENTO EM QUE OS ESPÍRITOS VICIADOS PODEM ENTÃO SUGÁ-LO PELA AURA DO INFELIZ BEBERRÃO. TRATA-SE DE UMA ESPÉCIE DE REPULSIVA OPERAÇÃO DE VAMPIRISMO QUE, PARA SATISFAZER EM PARTE AOS DESENCARNADOS, EXAURE A VITALIDADE DA VÍTIMA. CERTAS VEZES AGLOMERAM-SE VÁRIAS ENTIDADES VICIADAS SOBRE A AURA DE UM MESMO BÊBEDO, CONSTITUINDO UMA GROTESCA E DEGRADANTE CENA DE SUCÇÃO DE ÁLCOOL! ELAS SE MOSTRAM IRASCÍVEIS E IRRITADAS QUANDO OS SEUS PACIENTES NÃO AS ATENDEM A CONTENTO DEIXANDO DE BEBER A QUANTIDADE DESEJADA PARA A SUA SATISFAÇÃO MÓRBIDA COMPLETA. Trabalham furiosamente para que o infeliz aumente a sua dose de álcool, pois ele representa o transformador que deve saturar-se cada vez mais a fim de cumprir a repulsiva tarefa de dar de beber aos viciados do Além.

    Daí o motivo por que muitos alcoólatras insistem em afirmar
    que uma força oculta os obriga a beber cada vez mais, até que chegam a cair ao solo inconscientes. Saturados então de álcool, quais míseros farrapos humanos a exsudarem os vapores repelentes da embriaguez total, eles atravessam o resto de suas existências transformados em vítimas dos seus obsessores, que astuciosamente se ocultam nas sombras do Além-Túmulo.

    Todo médium que bebe e fuma é um instrumento dos espíritos inferiores do mundo invisível, esses espíritos de pretos velhos, caboclos, exu, pomba gira, entidades ciganas, são espíritos ignorantes, espíritos sem luz e sem esclarecimentos, espíritos apegados a matéria.

    2) Os espíritos de luz não possuem apegos a matéria e nem aos vícios e desejos terrenos, os espíritos de luz estão moralmente depurados dessas coisas, somente espíritos imundos e impuros pedem despachos, sacrifícios de animais, bebida alcoólica, cigarros, charutos, cachaça, velas.
    Esses espíritos imundos enganam as pessoas que freqüentam esses lugares de corrupção moral.
    Os Espíritos de Luz ou os Espíritos Superiores e Elevados não possuem necessidades matérias, eles estão moralmente depurados.
    Os Espíritos de Luz possuem sempre uma Linguagem pura, digna, elevada, nobre, lógica e sublime de moralidade e seus ensinamentos visam sempre a melhoria Moral e espiritual das pessoas.
    Os Espíritos Elevados são Virtuosos em seus ensinamentos.
    Eles pregam o Bem, a caridade, o amor, a elevação moral, a disciplina, a ordem, as virtudes.
    Os espíritos inferiores, perturbadores e obsessores possuem sempre uma Linguagem moralmente pesada, grosseira, ímpia, agressiva, maliciosa, sem lógica e sem elevação moral.
    E suas mensagens só tratam de assuntos matérias vulgares.
    Os Espiritos de Luz jamais vão pedir coisas matérias, como velas, despachos, cachaça, charutos, farofa e sacrifícios de animais.
    Somente espíritos apegados a matéria e aos vícios terrenos é que pedem tais absurdos.
    Os vícios do cigarro, fumo e bebidas alcoólicas só pode atrair espíritos desencarnados de alcoólatras e tabagistas, para afastar os maus espíritos temos que COMBATER as nossas imperfeições morais, vícios, maus desejos, temos que nos depurar moralmente, cultivando pensamentos elevados e positivos e tendo uma vida terrena digna, correta, honesta, praticando o bem e as Virtudes.
    Cada vicio é uma porta aberta a influencia nociva dos maus espíritos.
    O indivíduo que perde o seu domínio mental e escraviza-se ao vício de fumar revela-se um candidato em potencial para outras investidas perigosas no seu psiquismo vulnerável. Assim que decaia na sua segurança moral, que negligencie com a estabilidade espiritual no mundo, constitui uma brecha a permitir a interferência possessiva de algum espírito desencarnado e sedento de satisfazer igual vício. Obvia-mente, quem não pode livrar-se de uma prática nociva, como é o tabagismo, é sempre mais difícil desprender-se de uma “vontade oculta”; e o espírito do Além-Túmulo goza plena liberdade de agir invisivelmente.
    Considerando-se que os espíritos desencarnados são apenas as entidades que se moviam pela Terra através de corpos carnais, é óbvio que do “lado de cá” vivem as mesmas espécies da fauna humana terrícola! Em conseqüência, também é grande o número de espíritos de “ex-fumantes” inveterados, que embora despidos do corpo carnal, ainda estão presos ao vício tolo de engolir fumaça irritante cultivado na matéria. E como o desejo não é próprio do corpo físico, mas inerente ao espírito imortal, os viciados do Além-Túmulo necessitam de uma ponte viva e dinâmica para ligarem-se ao objeto do seu vício inexistente no mundo espiritual. Assim, os mais inescrupulosos ou sedentos vivem à cata de outros viciados encarnados, que lhes possam satisfazer a angústia taba¬gista! Eles procuram verdadeiras “piteiras vivas” para fumarem, assim como os alcoólatras sem corpo buscam “canecos vivos” para beberem, numa simbiose mediúnica eletiva!

    Esses médiuns que bebem e fumam nesses centros de umbanda e candomblé são usados por espíritos inferiores e ignorantes, os espíritos de luz jamais vão incentivar as pessoas a usarem bebidas alcoólicas e cigarros ou charutos.

    3) A cólera, o ódio, os desvarios do sexo e os vícios, oferecem campo a perigosos germes psíquicos na esfera da alma.
    Paralelamente aos micróbios alojados no corpo físico há bacilos de natureza psíquica, quais larvas, portadoras de vigoroso magnetismo animal.
    Essas larvas constituem alimento habitual dos espíritos desencarnados e fixados nas sensações animalizadas.
    A indiferença à Lei Divina determina sintonia entre encarnado e desencarnado viciados, este agarrando-se àquele, sugando a grande energia magnética da infeliz fauna microbiana mental que hospeda, em processo semelhante às ervas daninhas nos galhos das árvores, sugando-lhes substância vital.
    Com o tempo destroem as células perispirituais, criando grandes problemas de saúde numa próxima reencarnação.
    O retorno num novo corpo será doloroso, com moléstias muito graves, doenças mentais – hidrocefalias – paralisias – cegueiras – idiotismo e vários tipos de câncer.
    OS VAPORES SUTIS DAS DROGAS, AO SE VOLATILIZAREM SÃO FACILMENTE DETECTADOS PELOS ESPÍRITOS-VICIADOS, QUE SORVEM ESSES VAPORES, DELES SE APROPRIANDO E INCENTIVANDO O ENCARNADO A CONSUMIR MAIS E MAIS…
    O FREQÜENTADOR DE BARES, AO SAIR EMBRIAGADO, NÃO ESTÁ SOZINHO; JUNTO A ELE, NUM PROCESSO DE SIMBIOSE UMA ENTIDADE DAS SOMBRAS O ABRAÇA, QUAL SE UM POLVO ESTRANHO O ABSORVESSE, EXIBINDO AS MESMAS PERTURBAÇÕES.
    ESSE TRISTE PROCESSO CHAMA-SE VAMPIRISMO ESPIRITUAL, OU SEJA, AÇÃO DOS ESPÍRITOS INFERIORES DESENCARNADOS QUE VICIOSOS IMANTAM-SE ÀS SUAS VÍTIMAS, ABSORVENDO-LHES FLUIDOS VITAIS.
    (André Luiz, no livro: Nos Domínios da Mediunidade)

    A vinculação alcoólica escraviza a mente desarmonizando-a e envenena o corpo deteriorando-o. Tem início através do aperitivo inocente, que logo se converte em dominação absoluta.
    A pretexto de comemorações, festas, decisões etc, não se comprometa com o vício, na suposição de que dele se libertará quando queira, pois se os viciados pudessem, não estariam sob essa violenta dominação.
    (Joanna de Angelis, no livro: Após a Tempestade)

    Nessas observações importantes de Andre Luiz e Joanna de Angelis, vemos, que os encarnados que cultivam vícios degradantes dão atração a espíritos desencarnados que cultivam os mesmos vícios.
    Como disse Andre Luiz:
    OS VAPORES SUTIS DAS DROGAS, AO SE VOLATILIZAREM SÃO FACILMENTE DETECTADOS PELOS ESPÍRITOS-VICIADOS, QUE SORVEM ESSES VAPORES, DELES SE APROPRIANDO E INCENTIVANDO O ENCARNADO A CONSUMIR MAIS E MAIS…
    O FREQÜENTADOR DE BARES, AO SAIR EMBRIAGADO, NÃO ESTÁ SOZINHO; JUNTO A ELE, NUM PROCESSO DE SIMBIOSE UMA ENTIDADE DAS SOMBRAS O ABRAÇA, QUAL SE UM POLVO ESTRANHO O ABSORVESSE, EXIBINDO AS MESMAS PERTURBAÇÕES.
    ESSE TRISTE PROCESSO CHAMA-SE VAMPIRISMO ESPIRITUAL, OU SEJA, AÇÃO DOS ESPÍRITOS INFERIORES DESENCARNADOS QUE VICIOSOS IMANTAM-SE ÀS SUAS VÍTIMAS, ABSORVENDO-LHES FLUIDOS VITAIS.

    Podemos analisar que os espíritos viciosos se imantam nas suas vitimas, absorvendo-lhe os fluidos vitais, é o vampirismo espiritual.

    Vejamos outras observações importantes de Andre Luiz sobre essa questão.
    “…As emanações do ambiente produziam em nós indefinível mal-estar.
    JUNTO DE FUMANTES E BEBEDORES INVETERADOS, CRIATURAS DESENCARNADAS DE TRISTE FEIÇÃO SE DEMORAVAM EXPECTANTES.
    ALGUMAS SORVIAM AS BAFORADAS DE FUMO ARREMESSADAS AO AR, AINDA AQUECIDAS PELO CALOR DOS PULMÕES QUE AS EXPULSAVAM, NISSO ENCONTRANDO ALEGRIA E ALIMENTO. OUTRAS ASPIRAVAM O HÁLITO DE ALCOÓLATRAS IMPENITENTES.
    Indicando-as, informou o orientador:
    — Muitos de nossos irmãos, que já se desvencilharam do vaso carnal, se apegam com tamanho desvario às sensações da experiência física, que se cosem àqueles nossos amigos terrestres temporariamente desequilibrados nos desagradáveis costumes por que se deixam influenciar.
    — Mas por que mergulhar, dessa forma, em prazeres dessa espécie?
    — Hilário — disse o Assistente, bondoso —, O QUE A VIDA COMEÇOU, A MORTE CONTINUA… ESSES NOSSOS COMPANHEIROS SITUARAM A MENTE NOS APETITES MAIS BAIXOS DO MUNDO, ALIMENTANDO-SE COM UM TIPO DE EMOÇÕES QUE OS LOCALIZA NA VIZINHANÇA DA ANIMALIDADE. Não obstante haverem frequentado santuários religiosos, não se preocuparam em atender aos princípios da fé que abraçaram, acreditando que a existência devia ser para eles o culto de satisfações menos dignas, com a exaltação dos mais astuciosos e dos mais fortes. O chamamento da morte encontrou-os na esfera de impressões delituosas e escuras e, como é da Lei que cada alma receba da vida de conformidade com aquilo que dá, NÃO ENCONTRAM INTERESSE SENÃO NOS LUGARES ONDE PODEM NUTRIR AS ILUSÕES QUE LHES SÃO PECULIARES, PORQUANTO, NA POSIÇÃO EM QUE SE VÊEM, TEMEM A VERDADE E ABOMINAM-NA, PROCEDENDO COMO A CORUJA QUE FOGE À LUZ…”

    Essa observação colocada por Andre Luiz, mostra que são os espíritos apegados a matéria e aos vícios, que se utilizam dos encarnados viciosos, para absorverem os fluidos da nicotina e da bebida, portanto, esses espíritos desencarnados que pedem bebidas, fumo, charutos e despachos, são espíritos presos as paixões e vícios matérias, espíritos de baixa evolução moral, eles estão numa faixa vibratória muito densa e grosseira.
    Como disse Andre Luiz.
    JUNTO DE FUMANTES E BEBEDORES INVETERADOS, CRIATURAS DESENCARNADAS DE TRISTE FEIÇÃO SE DEMORAVAM EXPECTANTES.
    ALGUMAS SORVIAM AS BAFORADAS DE FUMO ARREMESSADAS AO AR, AINDA AQUECIDAS PELO CALOR DOS PULMÕES QUE AS EXPULSAVAM, NISSO ENCONTRANDO ALEGRIA E ALIMENTO. OUTRAS ASPIRAVAM O HÁLITO DE ALCOÓLATRAS IMPENITENTES.
    (André Luiz, no livro: Nos Domínios da Mediunidade)

    4) Nesses centros de umbanda, quimbanda e candomblé, predomina o uso de cigarros, bebidas alcoólicas, muito fumo, charutos e cachaça, todo mundo bebe, fuma, cai no chão, rola, esses ambientes são pesados e negativos e atraem somente espíritos inferiores e obsessores da atmosfera terrena, espíritos apegados a matéria.
    Os sacrifícios de pobres animais é outra pratica nefasta e nociva, somente espíritos bestializados podem pedir sacrifícios de animais.
    O sangue dos animais esta repleto de fluidos vitais e os espíritos inferiores e obsessores absorvem esses fluidos vitais numa pratica de vampirismo espiritual.
    Os espíritos de luz não precisam de bebidas alcoólicas, cigarros, charutos, cachaça, despachos e sangue de pobres animais.
    Somente espíritos apegados a matéria pedem essas coisas imundas.
    Os animais merecem nosso respeito, eles também são filhos de Deus o Grande Foco de Luz.
    Perguntamos.
    Se você fosse um animal, você gostaria de ser sacrificado nesses rituais sangrentos e primitivos???
    Qual a sua resposta.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: